04 | agosto

Os desafios de ser mãe de gêmeos

Ser mãe é o maior sonho de muitas mulheres. Mas, nos tempos atuais, isso pode não ser uma tarefa muito fácil… Casada com Bruno Trevizano de Almeida e mãe dos gêmeos Murilo e Gabriel, a Engenheira de Orçamentos da Plaenge Industrial, Lígia Maria de Souza, conta um pouco de sua história, o sonho de ser mãe, a vinda não planejada dos gêmeos – que hoje têm pouco mais de um ano – e como tem conciliado a vida profissional com a maternidade. Confira!

Blog Plaenge: Qual a reação quando receberam a notícia dos gêmeos?

Lígia Souza: A pergunta que mais respondemos é: tem gêmeos na família?  Não temos nenhum parente próximo com gêmeos. E, de acordo com o que pesquisamos, não há influência genética na gravidez univitelina (quando dividem a mesma placenta). Acontece ao acaso mesmo.
Quando recebi a notícia, tive uma crise de riso e lágrimas de felicidade. Meu esposo ficou em choque uns três dias, mas depois se acostumou com a ideia. Nossos familiares a princípio ficaram surpresos, alguns acharam que estávamos brincando. Depois, todos adoraram a notícia e, em seguida, veio a curiosidade de como seria para identificá-los, cuidar dos dois, etc.

Lígia Souza e Bruno Trevizano de Almeida

BP: Como foi o período de gestação?

LS: Foi tranquilo e normal até o sétimo mês. Depois disso, a barriga já estava enorme, precisei até ficar de repouso. Não conseguia nem me levantar sozinha e precisava de ajuda para tudo, pois os bebês eram muito grandes, maiores que a média para uma gestação gemelar.

Mas chegamos bem até o nono mês e com 37 semanas marcamos a cesariana. Segundo o obstetra, eles iriam se desenvolver melhor fora da barriga, devido ao aperto. Nasceram com 49 cm, 2,750kg e 2,710kg, idênticos, sem nenhuma diferença que nos permitisse reconhecer quem era quem.

BP: Quais são os desafios de cuidar de gêmeos e como vocês estão lidando com isso?

LS: A pior sensação é a impotência, pois são duas crianças querendo exatamente a mesma coisa, na mesma hora. Não poder atendê-las ao mesmo tempo, ter que escolher para quem dar de mamar ou pegar no colo primeiro, é cruel. Como se tivesse sempre rejeitando um.

Conforme o tempo passa, vai se tornando mais fácil. Eles crescem e ficam mais independentes (já seguram a própria mamadeira, o que é uma maravilha!). Quando eu e meu esposo estamos em casa, cada um cuida de uma criança. A gente troca de bebê para que fiquem um pouco com o pai e um pouco com a mãe. E eles adoram esse “troca-troca” de colo.  O problema agora é apartar as brigas. Eles se batem, puxam o cabelo, um derruba o outro, querem o mesmo brinquedo. É uma confusão!

Gabriel e Murilo

BP: Ser mãe de gêmeos é?

LS: Ser mãe é uma dádiva de Deus, uma delícia, não tem emoção maior. De gêmeos então é um privilégio.

Não é fácil nem por um segundo e sei que não estou dando conta de fazer o que gostaria para cada um. Sempre que dou colo para um, sei que o outro também quer. Mas quando os vejo grandes, fortes, saudáveis, risonhos e sapecas, percebo que eles são frutos do meu melhor. Não troco esta “trabalheira” por nada no mundo!

BP: Como é aliar a vida de mãe com o dia a dia?

LS: É uma loucura! O dia já começa agitado, os dois acordam praticamente juntos, e depois que isso acontece é difícil terminar de me arrumar. Saio penteando o cabelo no elevador, tomo “café da manhã” enquanto ligo o computador na empresa. Quando chegamos do trabalho, a agitação continua. Eles querem atenção, colo e lutam contra o sono para continuar brincando com a gente.

Murilo e Gabriel

BP: Qual o aprendizado da maternidade que você aplica na rotina de trabalho?

LS: Após a licença maternidade eu estava “fora de forma”. Parecia que não ia dar conta, a cabeça ainda estava preocupada com os meninos e, ao mesmo tempo, tentando voltar ao ritmo de trabalho.  Enquanto estou no escritório, fico focada nas atividades e tento fazer como antes.

Aprendi então a reorganizar minhas atividades, tomar decisões de forma mais rápida, fazer render mais em menos tempo e ser mais objetiva para dar conta de tudo. A principal diferença é na questão de viagens ou trabalho além do expediente. Para isso, tive que desenvolver outra habilidade, a de arquitetar um “plano b” e sempre ver antes quem ficará com os bebês.

Mãe de Gêmeos Lígia Souza

BP: Qual a dica para as futuras mamães?

LS: Aproveitem o tempo de licença para curtir bastante o bebê, pois passa voando, eles crescem rápido e quando menos se espera chega a hora de voltar ao trabalho. Quem sofre mais no retorno são as mães, as crianças se adaptam facilmente. O filho vive sem a mãe, a mãe é que não vive sem o filho.

___________

Texto: Fernando Almeida | Comunicação e Marketing Institucional – Plaenge.

Faça seu comentário

Nome:

E-mail:

Mensagem: limite de caracteres 1500.

Entrar pelo Facebook

Código da validação

Nenhum comentário

  • annkie | 01/07/2017

    Dans le monde de la table de conversion bien connue, les entreprises ont beaucoup de chez elles, nous sommes communs comme Bamford, Blackout Concept, Titanblack et ainsi de suite. Les produits de ces entreprises apparaissent souvent sur certaines ventes aux enchères internationales et sont plus populaires et ont un bon prix. Regardez la montée de la montée au siècle dernier 90 ans, replique montre le début de l'heure, la table modifiée sont des comportements personnels, commencent sur leurs propres montres. Par exemple, Bamford a d'abord été converti à son propre Rolex Shui Gui. Le fantôme Rickshaw était DLC noir. Lorsque la modification a fini sa montre, il a trouvé que l'effet est bon, et il y a beaucoup de gens ont modifié les besoins des montres, de sorte que la société a mis en place une modification spéciale de la montre, la méthode principale est modifiée après le forage et le noir. Replique Omega Montres L'étranger, ces sociétés de surveillance sont une conversion très formelle. La rénovation du personnel est l'ancien personnel de Rolex. Ils peuvent être qualifiés, qualifiés démanteler Rolex, et regarder des pièces à modifier, puis assemblé la montre